<$BlogRSDUrl$>
Universos Assimétricos

Uma História de Agressão

29.12.08

Mártires sem esperança 


Nesta quadra de hipócritas declarações de solidariedade, que gestos de genuína compaixão acomodada podemos realizar? Poucos, quase sempre ao nível da caridade privada. Mas, e as vítimas das constantes agressões belicistas americanas (e nazistas israelitas) que, neste mesmo momento, por todo o mundo são bombardeadas e morrem sem esperança? Já imaginou estar na pele delas, caro leitor? E, no entanto, você pode estar mais perto de ser uma delas do que julga. Pode já estar sob a mira de um satélite ou de um míssil. Basta ser crítico do terror de Washington ou morar no mesmo prédio de um.

Sugiro um breve momento de evocação do martírio dessas indefesas vítimas deste mesmo momento. Pode ser o seu último. Um breve momento. Um breve momento.

posted by perplexo  # 21:15

20.12.08

Best of... Dezembro de 2007 


Os malefícios da comunicação social controlada

Faz hoje 4 anos que os invasores do Iraque capturaram o seu presidente, achincalhando-o duma forma ignóbil que os retrata a eles, ele que nenhumas relações tinha com a al-Qaeda, como a CIA veio a admitir. Enforcaram-no há um ano, mas o causador de centenas de milhares de mortes inocentes continua no poder da nação mais criminosa do planeta sem haver tentativas para o capturar. Isto é inexplicável aos olhos dos que acreditam em alguma regulação do mundo pela justiça.

Há dias contaram-me uma conversa com umas americanas que se lamentavam que os europeus não compreendiam que a América tinha que defender a sua liberdade, ao que os interlocutores – europeus pela certa – só perguntaram onde é que acabavam as fronteiras da América.

Os americanos estão intoxicados pela propaganda da comunicação social controlada (o controlo existe, subtil e auto-censório como gosta o capital) e pouco há a esperar deles para acabarem com as agressões aos outros povos. Em tempo útil. Porque nestes 3 ou 4 anos que já desperdiçaram (Bush admitiu há exactamente 3 anos que mentiu sobre as armas de destruição maciça), nestes 3 anos, dizia eu, já morreu muita muita gente inocente. E teria bastado caçar o criminoso-mor e mais meia-dúzia de sequazes, que têm mantido esta guerra sem razão humana, para alterar o rumo da abjecção.
Poderão alguma vez os Iraquianos perdoar aos Americanos?

15.12.08

Há sempre alguém que resiste 




Há sempre alguém que diz não!

11.12.08

Post 1000 


O inferno dos vivos não é uma coisa que virá a existir; se houver um, é o que já está aqui, o inferno que habitamos todos os dias, que nós formamos ao estarmos juntos. Há dois modos para não o sofrermos. O primeiro torna-se fácil para muita gente: aceitar o inferno e fazer parte dele a ponto de já não o vermos. O segundo é arriscado e exige uma atenção e uma aprendizagem contínuas: tentar e saber reconhecer, no meio do inferno, quem e o que não é inferno, e fazê-lo viver, e dar-lhe lugar.

Italo Calvino, As Cidades Invisíveis, Lisboa, Editorial Teorema, Lda., 2006.

Comments:
Este livro tenho que ler!
Vou colar o teu Post no Blog em que escrevo. Pode ser que se lembrem de oferecer o Livro no natal.
 
Enviar um comentário

7.12.08

É vergonhoso, é abjecto, é obsceno: é limpinho! 


A crise económica veio trazer à luz do dia aquilo que a esquerda sempre soube: que o capital não tem moral, nem regras, e o seu limite é a totalidade dos bens mundiais. Explora e desapossa aqueles que consegue, usando os meios necessários, ainda que os mais vis. É a vantagem dos vitoriosos na luta pelos recursos, a lei de Darwin para os organismos em ambiente não regulado, a lei da selva. Comeram os outros todos e uns aos outros. Os estados cederam à ideologia do privado, entregaram os meios de produção ao sindicato dos predadores, porque este sindicato soube atulhar os estados com os seus membros.

Agora, que o sindicato bateu na parede – aparentemente acreditava em esquemas de bola de neve – poderia parecer que as leis darwinistas fariam o seu trabalho de eliminação dos que são feridos na selva. Engano. O mesmo estado que força a extinção das pequenas empresas agrícolas e de pesca, que se acomoda com hipócrita tristeza às inúmeras falências que todos os dias assolam o país, vem injectar milhões e milhões de euros nos que se roubaram mutuamente e falharam as contas e as estratégias que tão arrogantemente hasteavam como geniais engenharias económicas.

Os meios de comunicação social queimam horas de debates verberando tão abstrusas medidas que «não têm explicação». Não se lembram, não querem dizer, fazem parte do esquema. É que o sindicato engloba os governos. Os membros que governam têm que proteger os seus investimentos e os dos outros membros. São juízes em causa própria? Claro!

Coincidência ou não, descobriram uma fantástica maneira de desapossar a turba. A luta pelos salários baixos é aborrecida, a precarização está esgotada, o consumo está ameaçado por fornecedores não controlados. Descobriram uma maneira indirecta de desapossamento: os fundos de certo tipo de empresas são desviados de maneira directa para os membros mais activos, seja por vencimentos, complementos, indemnizações, reformas, seja por engenharia financeira incontrolada e indetectável. Quando essas empresas correm risco de insolvência, o estado repõe o stock com os bens que pertencem à turba, mas esta delegou nos que, equivocadamente, pensava serem os seus representantes. Limpinho. Não é genial?

Comments:
É uma tristeza, é o que é!
 
É vergonhoso uma diretoria dar prejuízos de milhões, jogarem países e pessoas à falência e ninguém é preso ou perde suas posses.
Quebra a empresa e os diretores ficam ricos? Com certeza algo está muito errado nessa história!
Um abraço e boa sorte.
 
Enviar um comentário

Archives

links to this post

Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Agosto 2010   Setembro 2010   Outubro 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Janeiro 2011   Fevereiro 2011   Março 2011   Abril 2011   Maio 2011   Junho 2011   Julho 2011   Agosto 2011   Setembro 2011   Outubro 2011   Novembro 2011   Dezembro 2011   Janeiro 2012   Fevereiro 2012   Março 2012   Abril 2012   Maio 2012   Julho 2012   Agosto 2012   Setembro 2012   Outubro 2012   Novembro 2012   Dezembro 2012   Janeiro 2013   Março 2013   Abril 2013   Maio 2013   Julho 2013   Agosto 2013   Setembro 2013   Novembro 2013   Janeiro 2014   Março 2014   Maio 2014   Julho 2014   Agosto 2014   Janeiro 2015   Fevereiro 2015   Maio 2015   Junho 2015   Setembro 2015   Outubro 2015   Dezembro 2015   Abril 2016   Julho 2016   Setembro 2016   Novembro 2016  

Perdidos no Hiper-Espaço:

Em quarentena (Vírus linka-deslinka):

Desembarcados num Mundo Hospitaleiro:

Pára-arranca:

Sinais de Rádio do Espaço Cósmico:

Tele-transportes:

Exposição Temporária:


referer referrer referers referrers http_referer

This page is powered by Blogger. Isn't yours? Mail