<$BlogRSDUrl$>
Universos Assimétricos

Uma História de Agressão

24.2.09

Carnaval no Rio 


Há dias, ao fazer uma crítica a um conto de uma amiga brasileira, onde se falava de uma menina pobre de uma favela do Rio de Janeiro, que acabava por morrer numa cheia, disse que o conto puxava ao choradinho, estava exagerado e, nesse sentido, era panfletário.
Essa amiga respondeu-me de uma maneira tão sentida que trago aqui essa missiva, numa quadra em que o Carnaval, que de lá nos chega, parece mostrar que tudo é bonito e alegre.

Você vive na Europa, aqui no Brasil, a situação é bem diferente. Existem crianças e adultos que nunca saíram das favelas, porque favela não é um pequeno número de habitações no meio da cidade.
Favelas são cidades dentro da cidade. Não dá pra explicar, melhor olhar no Google Favela da Rocinha, um exemplo, com um número de habitantes e infra-estrutura de cidade grande.
Eu moro cercada por três favelas, uma delas, Jacarezinho. Quando eles decidem…fecham todo o comércio e mandam os onibus pararem. Você já imaginou não poder sair de casa?

Alice
[a personagem] não é chororô, é uma realidade, basta ler os jornais e você vai ver que esta semana usaram uma criança pra rituais macabros. Semana passada mataram 5 outras de pancada…esta é a minha realidade.
Quando as pessoas morrem por aqui…levam o dia inteiro jogadas no meio da rua… esperando o rabecão…ou morrem na porta do hospital, ou de fome…ou de dengue! Dengue não existe em muitos países. Aqui morremos de dengue.

1-Os bairros no Rio estão desvalorizados. Antes, a Tijuca era elite…hoje em dia… Um imóvel vale 300.000 e pagam 70.000. Sem emprego, sem condições de mudar, sem direito a colocar a cara na rua.

2-As firmas e fábricas do meu bairro, fecharam as portas por conta dos assaltos. Virou bairro fantasma. Gente desocupada dorme nos jardins e praças públicas. As ruas fedem…

3- Não dá pra sair de casa na hora dos tiroteios e falsas blitz. Todo mundo sabe quando as drogas chegam porque soltam fogos. Alguém liga pra denunciar? Claro que não.

4- O Rio está um caos, virou um gueto, miséria é balinha de criança. Não escrevi para ser tocante ou piegas.

5- Eu mando artigo para jornais e revistas com o mesmo teor. Assino meu nome e estão lá… Se vou levar um tiro ou não…fiz minha parte e vou continuar reclamando.

6- Queria minha cidade limpa e menos violenta. Mas precisamos educar e minhas crianças não frequentam escolas.
Mas escutam histórias como esta e acham ”legal”. Se identificam…sei lá…
Quando vou aos educandários, sento com estas criaturinhas que olham de cara feita e barganho atenção com brinquedos. Não adianta nada dar livros, a maioria não sabe ler. Sabe que é absurdo o número de crianças que mal sabe escrever o nome?
Eles ouvem…ganham os brindes e não dão a mínima. Os poucos que fazem uma pergunta ou demonstram interesse… salvam o dia dos doidos que fazem este trabalho…grupo voluntário de visita aos meninos de rua…nem vou contar o que eles fazem com os brinquedos…

Não estou justificando o conto, estou apenas explicando que graças a ele, cheguei até você.
Quem sabe vc escreve alguma coisa sobre o assunto…talvez vá parar nas mãos de um outro escritor e mais pessoas tomem conhecimento….
É só um continho de nada…mas a internet é um meio de comunicação e tanto… Permitiu que eu daqui da ilha do caos, mandasse um pedido de socorro para além mar…

***

Ah..desculpa…é uma história panfletária sim…estou usando para pedir ajuda e contar pra todo mundo.
Aqui tá faltando água, as escolas passam as crianças de ano e elas ganham diploma semi-analfabetas. Logicamente não conseguem emprego, e terminam repetindo a vida dos pais.
O que eu tenho medo e sei que a maioria também teme: Um dia as favelas vão descer e tomar o asfalto. Neste dia, a cidade, que abriga a cidade, vai virar poeira…

posted by perplexo  # 21:40

Archives

links to this post

Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Agosto 2010   Setembro 2010   Outubro 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Janeiro 2011   Fevereiro 2011   Março 2011   Abril 2011   Maio 2011   Junho 2011   Julho 2011   Agosto 2011   Setembro 2011   Outubro 2011   Novembro 2011   Dezembro 2011   Janeiro 2012   Fevereiro 2012   Março 2012   Abril 2012   Maio 2012   Julho 2012   Agosto 2012   Setembro 2012   Outubro 2012   Novembro 2012   Dezembro 2012   Janeiro 2013   Março 2013   Abril 2013   Maio 2013   Julho 2013   Agosto 2013   Setembro 2013   Novembro 2013   Janeiro 2014   Março 2014   Maio 2014   Julho 2014   Agosto 2014   Janeiro 2015   Fevereiro 2015   Maio 2015   Junho 2015   Setembro 2015   Outubro 2015   Dezembro 2015   Abril 2016   Julho 2016   Setembro 2016   Novembro 2016  

Perdidos no Hiper-Espaço:

Em quarentena (Vírus linka-deslinka):

Desembarcados num Mundo Hospitaleiro:

Pára-arranca:

Sinais de Rádio do Espaço Cósmico:

Tele-transportes:

Exposição Temporária:


referer referrer referers referrers http_referer

This page is powered by Blogger. Isn't yours? Mail