<$BlogRSDUrl$>
Universos Assimétricos

Uma História de Agressão

19.5.09

Odi–acho 


É histórico que a abadessa do convento de Odivelas, madre Paula, era amante de D. João V, de quem teve vários filhos. Tenho ouvido, ao longo dos anos, atribuir a origem do topónimo Odivelas aos ciúmes da mulher de um rei que teria dito ao marido, agastada, «Ide vê-las!». Ao iniciar este post, pensei que se referiam a D. João V, mas, afinal, é a D. Dinis que a lenda atribui umas escapadelas à zona de Odivelas para se encontrar com raparigas.

Sempre achei que esta atribuição toponímica era uma história mal contada, fundada, quase só, numa candura de observação de similitude ortográfica e fónica. Sempre reparei no prefixo «odi» ou «ode» na composição de vários topónimos do sul do país: Odeceixe; Odeleite; Odelouca; Odemira; Odivelas; Odiáxere. Parecia-me coincidência a mais e, ou me lembrava de alguma referência de quando fui a Marrocos, ou de algo que lera, pois que sempre suspeitei que este prefixo fosse uma permanência linguística do árabe na toponímia nacional, sempre em localidades próximas de um curso de água.

Com efeito, neste momento, ao pesquisar «a lenda de Ide vê-las», encontrei no site da Câmara de Odivelas a confirmação, que era só o que me faltava:
«Os filólogos dão porém, outra explicação: a palavra compõe-se de dois elementos: "Odi" e "Velas". A primeira é de origem árabe e significa "curso de água". A segunda é de origem latina e refere-se às velas dos moinhos de vento, que existiram nos outeiros próximos e dos quais podemos ainda ver vestígios. O curso de água ainda se mantém hoje.»

Fico reconfortado por ser confirmado com a parte árabe – a principal questão; torço o nariz às «velas». Não é a sobreposição com palavras actuais que me convence, antes pelo contrário. Não me parece que na Odivelas próxima de Ferreira do Alentejo houvesse condições orográficas e anemográficas para incentivar uma proliferação de moinhos de vento. Mas, aclarar essa questão fica para depois.

posted by perplexo  # 23:20

Comments:
As lendas são importantes e a sua verdade histórica é uma coisa de somenos importância. Sempre é melhor a lenda lembrar os amores ilícitos de um rei que uma conjugação de topónimos que no caso de Odivelas, as velas nunca seriam de moinho porque este tem "Aspas" e não "Velas.

O Topónimo "Odi" e "Guad" provém do Árabe "Oued" (Rio, curso de água), pelo que Guadiana era Oued Iana, Guadalquivir, Oued Al-Kebir e os topónimos alentejanos Odi seria Oued, seguido do nome, o qual deve ter sido aportuguesado ao longo dos tempos.
 
Magnífica explicação, Luís! Obrigado.
 
E só depois de pesquisar «aspas de moinho» - por estranhar o que dizias - é que percebi que as velas do moinho se chamam aspas.
Sempre a aprender...
 
Enviar um comentário

Archives

links to this post

Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Agosto 2010   Setembro 2010   Outubro 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Janeiro 2011   Fevereiro 2011   Março 2011   Abril 2011   Maio 2011   Junho 2011   Julho 2011   Agosto 2011   Setembro 2011   Outubro 2011   Novembro 2011   Dezembro 2011   Janeiro 2012   Fevereiro 2012   Março 2012   Abril 2012   Maio 2012   Julho 2012   Agosto 2012   Setembro 2012   Outubro 2012   Novembro 2012   Dezembro 2012   Janeiro 2013   Março 2013   Abril 2013   Maio 2013   Julho 2013   Agosto 2013   Setembro 2013   Novembro 2013   Janeiro 2014   Março 2014   Maio 2014   Julho 2014   Agosto 2014   Janeiro 2015   Fevereiro 2015   Maio 2015   Junho 2015   Setembro 2015   Outubro 2015   Dezembro 2015   Abril 2016   Julho 2016   Setembro 2016   Novembro 2016  

Perdidos no Hiper-Espaço:

Em quarentena (Vírus linka-deslinka):

Desembarcados num Mundo Hospitaleiro:

Pára-arranca:

Sinais de Rádio do Espaço Cósmico:

Tele-transportes:

Exposição Temporária:


referer referrer referers referrers http_referer

This page is powered by Blogger. Isn't yours? Mail