<$BlogRSDUrl$>
Universos Assimétricos

Uma História de Agressão

26.5.09

Marinho Pinto – um cidadão admirável 


Esta é a parte final da entrevista que deu a Manuela Moura Guedes, onde, mais uma vez, provou que não tem papas na língua: http://videos.sapo.pt/w1DwtzhPH7LzHw3yUFq5

As outras três partes anteriores também são interessantes, especialmente a primeira, onde se faz um historial das denúncias que Marinho Pinto tem vindo a fazer da podridão nacional.

Primeira parte: http://videos.sapo.pt/1HQ7s8bUK3sbr5OhgmtG

Segunda parte: http://videos.sapo.pt/7FWCeEKUI7e0zEZGjg38

Terceira parte: http://videos.sapo.pt/UnCCFv4AfzUd4HF9bgUJ

posted by perplexo  # 19:16

24.5.09

Bi quê? 


Passei uns dias num hotel no Algarve. Hotel com bom aspecto, todo remodelado, casas de banho a estrear… Mas, sem bidé! Numa pesquisa sumária, apercebi-me que a maioria dos hotéis mais recentes não instala bidés nas casas de banho… Segundo me disseram, é de uso pouco comum nos países anglófonos.

Bizarro. Inesperado. Surpreendente. Como é que eles fazem quando vão à casa de banho produzir um resíduo mais sólido? Limpam-se com papel higiénico e toca a andar? Não se lavam? Não acredito que se metam debaixo do duche, cada vez que deviam usar o bidé!

De repente, passo a olhar com algum nojo todos aqueles reluzentes cavalheiros estrangeiros e todas as suas luminosas senhoras que se exibem majestosamente no passeio costeiro. Imagino uma longa série de rabos por lavar, disfarçados à custa de perfume.
Eu não precisava desta imagem!

19.5.09

Odi–acho 


É histórico que a abadessa do convento de Odivelas, madre Paula, era amante de D. João V, de quem teve vários filhos. Tenho ouvido, ao longo dos anos, atribuir a origem do topónimo Odivelas aos ciúmes da mulher de um rei que teria dito ao marido, agastada, «Ide vê-las!». Ao iniciar este post, pensei que se referiam a D. João V, mas, afinal, é a D. Dinis que a lenda atribui umas escapadelas à zona de Odivelas para se encontrar com raparigas.

Sempre achei que esta atribuição toponímica era uma história mal contada, fundada, quase só, numa candura de observação de similitude ortográfica e fónica. Sempre reparei no prefixo «odi» ou «ode» na composição de vários topónimos do sul do país: Odeceixe; Odeleite; Odelouca; Odemira; Odivelas; Odiáxere. Parecia-me coincidência a mais e, ou me lembrava de alguma referência de quando fui a Marrocos, ou de algo que lera, pois que sempre suspeitei que este prefixo fosse uma permanência linguística do árabe na toponímia nacional, sempre em localidades próximas de um curso de água.

Com efeito, neste momento, ao pesquisar «a lenda de Ide vê-las», encontrei no site da Câmara de Odivelas a confirmação, que era só o que me faltava:
«Os filólogos dão porém, outra explicação: a palavra compõe-se de dois elementos: "Odi" e "Velas". A primeira é de origem árabe e significa "curso de água". A segunda é de origem latina e refere-se às velas dos moinhos de vento, que existiram nos outeiros próximos e dos quais podemos ainda ver vestígios. O curso de água ainda se mantém hoje.»

Fico reconfortado por ser confirmado com a parte árabe – a principal questão; torço o nariz às «velas». Não é a sobreposição com palavras actuais que me convence, antes pelo contrário. Não me parece que na Odivelas próxima de Ferreira do Alentejo houvesse condições orográficas e anemográficas para incentivar uma proliferação de moinhos de vento. Mas, aclarar essa questão fica para depois.

Comments:
As lendas são importantes e a sua verdade histórica é uma coisa de somenos importância. Sempre é melhor a lenda lembrar os amores ilícitos de um rei que uma conjugação de topónimos que no caso de Odivelas, as velas nunca seriam de moinho porque este tem "Aspas" e não "Velas.

O Topónimo "Odi" e "Guad" provém do Árabe "Oued" (Rio, curso de água), pelo que Guadiana era Oued Iana, Guadalquivir, Oued Al-Kebir e os topónimos alentejanos Odi seria Oued, seguido do nome, o qual deve ter sido aportuguesado ao longo dos tempos.
 
Magnífica explicação, Luís! Obrigado.
 
E só depois de pesquisar «aspas de moinho» - por estranhar o que dizias - é que percebi que as velas do moinho se chamam aspas.
Sempre a aprender...
 
Enviar um comentário

17.5.09

Entertainer 



Barack Obama, como era previsível, está a ser uma grande decepção. Mantém-se a matar no Iraque e no Afeganistão, avança no Paquistão, mantém o apoio ao regime genocida de Israel, mantém os julgamentos marciais em Guantánamo, impede a divulgação das torturas da CIA, enfim, um pseudo.

Há dias, deu um jantar a jornalistas, onde fez uma figura penosa. Quis fazer piada, riu-se das próprias graçolas, iludido com o falso êxito das palmas, foi impertinente a chamar «Pirata das Caraíbas» a Hugo Chávez. É indigno!

O mundo não precisa de um cómico à frente dum país tão perigoso como os Estados Unidos. Milhões de pessoas acreditaram que este presidente podia fazer a diferença. Milhões de pessoas vão perceber, mais tarde ou mais cedo, que tudo continua na mesma, na maior parte das agressões. E vão sentir-se muito magoadas ao ver na televisão, a dizer graçolas, o indivíduo que parecia que tomava o sofrimento humano a sério. O mundo precisa de alguém que tente acabar com as iniquidades, não precisa de mais uma estrela de stand-up.

16.5.09

Perguntas sem resposta 


Porque é que um país asiático - Israel - participa no Festival Europeu da Canção?

Ok, a pergunta tem resposta, mas parece mais uma manobra para dar a mão aos intratáveis que não conseguem fazer amigos na zona deles.

14.5.09

Telepatia 


Um dos indícios mais evidentes, para o cidadão comum, de que os preços dos combustíveis a retalho são combinados é observar as indicações dos preços nas próximas bombas de marcas diferentes, afixados nas auto-estradas. São iguaizinhos, ao décimo de centavo. Extraordinária coincidência. Se não são preços combinados… será, talvez, telepatia…

2.5.09

O Metropolitano de Lisboa é uma empresa desonesta 


Já quase não ando de Metro. De cada vez que lá volto, há uma novidade anti-passageiros. Já aqui falei de várias:
Os bilhetes de 10 viagens eram invalidados ao fim de certo tempo – uns três meses – coisa muito fácil de acontecer no período de férias. Cheguei a ficar com bilhetes de 7 viagens não utilizadas.
Nas estações existem ecrãs a dar publicidade em nível sonoro incomodativo.
O Metro extinguiu o bilhete de ida e volta. Não foi a pensar no utente, com certeza. O bilhete de ida e volta é mais utilizado que o simples, acredito. Agora o Metro cobra 2 bilhetes simples por cada natural viagem de ida e regresso – uma penalização do utente em 10 a 15%.

Mas, o que venho hoje dizer é a desonestidade do novo sistema de bilhetes:
Não é possível pagar, simplesmente, o valor de um bilhete (0,80 €) – tem que se pagar um extra (0,50€) para o cartão. Como isco aparentemente justo, as máquinas aconselham a guardar o recibo se o utente quiser reaver o dinheiro do cartão. Pareceu-me bem. Só que, quando tentei reaver o dinheiro na estação de destino, fui informado que tal só é possível em meia dúzia de estações principais… Bem, guardei o recibo até que, há dias, tentei reaver o dinheiro na estação Baixa-Chiado. Em vão. O que a funcionária me disse, com o ar mais natural do mundo, é que só é possível reaver o dinheiro no prazo de 5 dias…
Traduzindo:
O utente (peça de caça com 2 pernas) é obrigado a pagar 1,30 € por uma viagem de 0,80€ (mais 60%). Se a sua saída não for numa estação principal e quiser reaver o extra pago, pode reavê-lo prosseguindo até a uma estação principal e regressando a pé…

Pode parecer quase natural porque o bilhete é recarregável e serve para outras vezes, mas só quase. O anunciado parecia garantir a devolução de todos os bilhetes comprados, desde que se apresentasse o recibo. Fiado nisso, e não tendo o primeiro bilhete à mão, acabei por comprar outros 2 bilhetes. Agora, tenho 3 bilhetes e não consigo reaver o dinheiro gasto. Se eu tenho os recibos, não sei que legalidade lhes permite ficarem com dinheiro desonestamente obtido.

Olhando para todos os atropelos ao interesse do utente, acho que esta empresa funciona em roda livre. E deve sentir que é muito esperta – que consegue sacar muito dinheiro aos utentes, por serviços não prestados. Sabedoria era aprender que utente burlado vai ficando com ressentimentos que acabam por o afastar.

Archives

links to this post

Agosto 2003   Setembro 2003   Outubro 2003   Novembro 2003   Dezembro 2003   Janeiro 2004   Fevereiro 2004   Março 2004   Abril 2004   Maio 2004   Junho 2004   Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Junho 2005   Julho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Julho 2007   Agosto 2007   Setembro 2007   Outubro 2007   Novembro 2007   Dezembro 2007   Janeiro 2008   Fevereiro 2008   Março 2008   Abril 2008   Maio 2008   Junho 2008   Julho 2008   Agosto 2008   Setembro 2008   Outubro 2008   Novembro 2008   Dezembro 2008   Janeiro 2009   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Novembro 2009   Dezembro 2009   Janeiro 2010   Fevereiro 2010   Março 2010   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Agosto 2010   Setembro 2010   Outubro 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Janeiro 2011   Fevereiro 2011   Março 2011   Abril 2011   Maio 2011   Junho 2011   Julho 2011   Agosto 2011   Setembro 2011   Outubro 2011   Novembro 2011   Dezembro 2011   Janeiro 2012   Fevereiro 2012   Março 2012   Abril 2012   Maio 2012   Julho 2012   Agosto 2012   Setembro 2012   Outubro 2012   Novembro 2012   Dezembro 2012   Janeiro 2013   Março 2013   Abril 2013   Maio 2013   Julho 2013   Agosto 2013   Setembro 2013   Novembro 2013   Janeiro 2014   Março 2014   Maio 2014   Julho 2014   Agosto 2014   Janeiro 2015   Fevereiro 2015   Maio 2015   Junho 2015   Setembro 2015   Outubro 2015   Dezembro 2015   Abril 2016   Julho 2016   Setembro 2016   Novembro 2016  

Perdidos no Hiper-Espaço:

Em quarentena (Vírus linka-deslinka):

Desembarcados num Mundo Hospitaleiro:

Pára-arranca:

Sinais de Rádio do Espaço Cósmico:

Tele-transportes:

Exposição Temporária:


referer referrer referers referrers http_referer

This page is powered by Blogger. Isn't yours? Mail